Sorocaba já registrou 158 invasões a escolas da rede municipal em 2019

Polícia 12 ago / 2019 às 15:41

O Centro de Educação Infantil (106) Áurea Paixão Rolim foi furtada pela quinta vez na madrugada da última terça-feira (06). O que mais preocupa pais e mães dos alunos da unidade é que todas essas ocorrências se deram em menos de 15 dias, como informou a diretora da CEI. O caso levantou a discussão sobre a segurança nas escolas e com o patrimônio público de Sorocaba.

No último incidente, os ladrões teriam levado aparelhos eletrônicos utilizados pela diretora da unidade, além de alguns utensílios de um pedreiro que realizava uma obra na CEI 106. De acordo com informações divulgadas por uma funcionária da CEI, os assaltantes teriam forçado as grades e estourado a janela para acessar o prédio. Nas imagens do interior do prédio é possível ver o estrago que resultou do furto.

Apesar da repercussão, este não é um caso isolado nem diz respeito exclusivamente a esta unidade. Apenas em 2019, Sorocaba já registrou 158 invasões às escolas da cidade. Ao longo de 2018, a rede municipal de ensino foi invadida em 329 ocasiões, representando quase uma invasão por dia ao longo de 12 meses.

Diante da divulgação do furto à unidade, leitores do Jornal Z Norte se manifestaram nos comentários da publicação contando, que outras escolas já teriam sido alvo de ladrões. “A CEI em que trabalho também foi assaltada duas vezes na mesma semana. Lamentável!,” desabafou a leitora.

Para conter as invasões, a Secretaria de Educação informou que em parceria com a Guarda Civil Municipal foi deflagrada uma operação especial de segurança, que conta com o apoio do Serviço de Inteligência de Sorocaba.

O então secretário de educação, André Gomes, informou que a SEDU realizaria ações para coibir a ação de assaltantes na unidade. “Pedi à manutenção para correr até lá, porque arrombaram uma grade. Estamos pedindo à GCM para intensificar o policiamento na escola. A Secretaria da Educação espera que as invasões diminuam a partir de algumas medidas: o monitoramento eletrônico nas escolas, que já está em andamento na Secretaria de Segurança, a mudança na legislação e, sobretudo, a participação da comunidade ligando 153 quando notar qualquer movimentação suspeita nos arredores das escolas,” destacou, à época, Gomes.

Em outro comentário na rede social, um segundo leitor questionava a ação da Guarda Civil Municipal. “GCM tá de enfeite na cidade, era pra estar fazendo ronda toda noite ou vão esperar levar paredes, portas e vidros do lugar?,” questionava o leitor na mensagem.

Questionada, a GCM esclareceu que o patrulhamento foi intensificado na CEI 106 do São Guilherme. Durante o dia os agentes realizam a ronda escolar e durante a madrugada viaturas de plantão realizam patrulhamento para manter a segurança dos prédios públicos.

Ainda segundo a GCM, o patrulhamento preventivo é realizado nas 166 escolas da rede municipal de Sorocaba, atingindo as regiões norte, sul, leste e oeste do município.

Após o incidente na escola do São Guilherme, o presidente do poder legislativo, o vereador Fernando Dini, visitou a CEI 106 para tentar ajudar a solucionar o problema de segurança que vem se repetindo na região da zona norte. “Não há a menor dúvida de que nós precisamos de uma força tarefa e eu estou aqui em missão de paz para ver o que está acontecendo, porque quinta vez em quinze dias, isso é terra de ninguém,” declarou Dini.

Quem também se sensibilizou com a situação vivenciada pela escola no Jardim São Guilherme foi a própria prefeita Jaqueline Coutinho. Em entrevista, a recém empossada chefe do executivo, garantiu que deve visitar a unidade, além tomar medidas para diminuir os furtos. Com a troca de governo, Antônio Valdir Gonçalves Filho pediu exoneração da função, deixando a Secretaria de Segurança e Defesa Civil sem um nome para chefiar a pasta. Até o momento, a prefeita não nomeou nenhum substituto.

Para tentar coibir a ação de vândalos e ladrões, a GCM pede que a comunidade que mora nos arredores das escolas colabore com o trabalho de prevenção a furtos. “A responsabilidade da segurança nas unidades escolares também inclui a comunidade, que pode auxiliar quando presenciar alguma situação de indivíduo suspeito ou até mesmo barulho que foge da normalidade. Podendo ligar na Guarda Civil Municipal 153,” sugeriu a instituição.

Caso algum morador se depare com uma situação de invasões de qualquer natureza, a Polícia Militar pode ser acionada por meio do telefone 190. Segundo informou a PM, ainda que a Guarda Civil Municipal seja responsável por cuidar de prédios públicos, como as creches e escolas, a PM também pode prestar apoio nestas situações.


Mais Notícias