Cidade registra quatro mortes por H1N1

Saúde 19 maio / 2016 às 21:18

SES orienta para que as gestantes procurem uma das unidades para receber a dose. Sexta-feira é o último dia de vacinação.

 

A Secretaria da Saúde de Sorocaba (SES) registrou 11 casos de influenza A H1N1 e quatro óbitos na cidade. A SES orienta para que as gestantes procurem uma das 31 Unidades Básicas de Saúde (UBSs) para receber a dose da vacina contra a gripe. A campanha de vacinação se encerra nesta sexta-feira (20).

A Divisão de Vigilância Epidemiológica divulga também nesta sexta-feira o boletim atualizado da campanha de vacinação. De acordo com a última prévia, de 11 de maio, o município havia vacinado 72,27% das 126.423 mil pessoas dos grupos prioritários (crianças de 6 meses a 4 anos, 11 meses e 29 dias; trabalhadores da área da saúde; gestantes; puérperas; e adultos com mais de 60 anos).

O estoque da vacina de Influenza do município acabou nesta quinta-feira (19) e não há previsão de envio de nova remessa pelo Grupo de Vigilância Epidemiológica do Estado (GVE31). Sendo assim, poderá haver falta da vacina nas UBSs. Neste caso a população do grupo de risco será orientada sobre a falta da dose e, assim que houver o reabastecimento, ocorrerá uma ampla divulgação para a população.

O secretário da Saúde, Francisco Fernandes, orienta para que as gestantes procurarem a unidade para receber a vacina. “É importante que elas acreditem na eficácia da vacina tendo em vista que este é um dos grupos de risco que não atingiram a meta”, explica.

Na manhã desta quinta-feira a Secretaria da Saúde (SES) divulgou o balanço sobre a Influenza na cidade. A Influenza, ou Síndrome Gripal, não é de notificação compulsória, sendo que a atuação da DVE/SES está focada nas ocorrências graves, chamadas de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), estas de notificação obrigatória.

Sorocaba registrou neste ano 148 casos de SRAG, sendo 11 casos de Influeza A H1N1, com quatro óbitos, e ainda há 111 casos no aguardo de resultados de exames. Dos óbitos por H1N1, trata-se de dois pacientes homens e duas mulheres. Os casos foram registrados nos meses de abril e maio deste ano.

A recomendação da SES é que o munícipe procure pelo atendimento na rede básica de saúde o mais rápido possível em caso de constatação de febre alta (acima de 38 graus) de início súbito, acompanhada de tosse e dor de garganta, e ainda falta de ar ou dores musculares ou nas articulações. “Esse é o quadro de gripe que pode virar uma síndrome grave se não for tratada a tempo”, explica a chefe da DVE/SES, Renata Guida Caldeira. Ele orienta ainda que algumas medidas básicas devem ser adotadas, como colocar o braço na frente da boca ao tossir e manter as mãos sempre limpas.

 

Tamiflu

O medicamento Oseltamivir – o popular Tamiflu -, usado exclusivamente no tratamento de pacientes com quadro de Síndrome Respiratória Aguda Grave ou dos grupos prioritários com Síndrome Gripal (SG), deixou de ser repassado regularmente pelo Ministério da Saúde (MS) à Secretaria de Saúde de Sorocaba (SES) nesta semana. Desta forma, a secretaria fez um remanejamento da medicação que estava nas UBSs.

A aquisição do Tamiflu é feita pelo MS e cabe à Secretaria de Saúde do Estado redistribuí-lo, por meio do Departamento Regional de Saúde (DRS-16). Ele é um dos únicos capazes de atuar contra o vírus Influenza, causador de gripes como a H1N1.

Desta forma, 2 mil comprimidos (o equivalente a 200 tratamentos) foram retirados das UBSs e distribuídos nas UPHs, UPA e hospitais. Sendo assim, a meta da SES é priorizar a distribuição a pacientes com sintomas de Síndrome Respiratória Aguda Grave e àqueles que estiverem internados, até a normalização do abastecimento.  


Mais Notícias