Transporte coletivo de Sorocaba continua inoperante por conta da paralisação imposta pelo sindicato da categoria

Trânsito 24 mar / 2020 às 11:15

Por conta da paralisação no transporte coletivo de Sorocaba, imposta pelo sindicato da categoria, a Prefeitura de Sorocaba, por meio da Urbes – Trânsito e Transportes e da Secretaria de Mobilidade e Desenvolvimento Estratégico (Semob), informa que não há ônibus atendendo a população até o presente momento. Para tentar reverter a situação, que deixa diversos profissionais sem ter como chegar ao trabalho, o poder público recorreu ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de Campinas e aguarda o julgamento da ação, que pede que pelo menos 70% da frota seja mantida na operação do sistema de transporte. A expectativa é que o julgamento do TRT aconteça ainda nesta terça-feira (24).

O compromisso da Prefeitura de Sorocaba, por meio da Urbes e da Semob, é retomar o transporte coletivo da cidade o mais rapidamente possível, visto que, neste momento, faz-se necessário que as pessoas que utilizam ônibus para  trabalhar nos serviços essenciais como de saúde, segurança pública ou abastecimento, consigam chegar aos hospitais, delegacias e mercados. “A suspensão completa do serviço, feito à revelia, inviabiliza que Sorocaba continue oferecendo o atendimento às pessoas. E ainda, pode impedir um munícipe de procurar ajuda em caso de doença, o que acentua a gravidade da situação que atravessamos”, frisa Sergio Pires, diretor-presidente da Urbes.

A paralisação imposta e radical aconteceu na manhã de segunda-feira (23), sem aviso prévio à Prefeitura, Urbes e Semob, e também sem comunicar a população, numa medida unilateral por parte do sindicato, num momento de crise e tensão pelo qual passa a sociedade, visto a pandemia decretada pelas autoridades de Saúde por conta da disseminação da Covid-19 (novo coronavírus).

A Urbes esclarece que, em nenhum momento, foi comunicada formalmente pelo sindicato da intenção de paralisar totalmente o sistema, bem como não recebeu nenhuma proposta que sugerisse um meio de contornar a situação, sem prejudicar os usuários de ônibus da cidade.

“Até o momento, o sindicato só se fez presente por suas redes sociais, ou seja, nenhuma proposta oficial foi encaminhada para as empresas operadoras a respeito do citado “fretamento”. Na semana passada, a notificação do sindicato, feita para as empresas, listava medidas visando a segurança e a saúde dos trabalhadores e dos passageiros. As medidas foram atendidas e alinhadas com o poder público, que também atendeu às recomendações do Ministério Público. Isso demonstra que o diálogo vinha sendo mantido de maneira coerente e respeitosa”, reforça o diretor-presidente da Urbes.

Sendo assim, a Prefeitura, por meio da Urbes e da Semob, reforça que continua aberta ao diálogo, como mediadora entre sindicato e empresas operadoras para sanar a situação crítica imposta por essa paralisação.


Mais Notícias