Dedicação e amor à profissão superam desafios na assistência odontológica

Saúde 24 out / 2019 às 14:32

Diante das inúmeras dificuldades na saúde pública do Brasil, em Sorocaba uma dentista faz a diferença na assistência aos pacientes acamados do SUS (Sistema Único de Saúde). Nesta sexta-feira, dia 25 de outubro, é comemorado o Dia do Dentista e, para abordar um pouco sobre essa profissão, Angélica Reis, servidora há 26 anos da Prefeitura de Sorocaba e há dois anos e meio atuando no SAD (Serviço de Atenção Domiciliar) da Secretaria da Saúde (SES), conta do seu diaadia nos atendimentos prestados com profissionalismo, dedicação, carinho, paciência e amor.

Antes de 2017 os pacientes acamados do SAD não possuíam atendimento odontológico. Uma enfermeira que fazia parte do programa convidou Angélica para realizar algumas palestras e orientações sobre saúde bucal. “Quando fui conhecer o programa, observei a carência e o alto índice de pacientes que necessitavam não só de orientações, mas dos atendimentos odontológicos”, conta. Após essa visita ao serviço, a dentista sugeriu à Coordenação de Saúde Bucal que um profissional deveria atuar no SAD, colocando-se à disposição. “Era um novo desafio. Fui muito bem recebida no novo setor e começamos atender aos pacientes”, relata Angélica.

Apesar do início de uma dentista no programa, ainda faltava um recurso de extrema importância, um equipamento odontológico portátil. “Sem o aparelho, o atendimento ficava limitado às ações de orientações e raspagem para alguns pacientes. Conversando com um amigo em um congresso de Odontologia, comentei sobre a necessidade e ele se dispôs a ajudar. Depois de um certo tempo, recebemos a doação desse aparelho por meio do Rotary. Hoje, com o equipamento odontológico móvel, é possível realizar todos os procedimentos com qualidade e segurança para o paciente, como se estivesse em um consultório”, pontua.

Desafio nos atendimentos

Para atender um paciente da zona rural de Sorocaba, portador da Síndrome Lennox-Gastaut (SLG), um tipo bem raro de epilepsia que gera atraso do desenvolvimento neurológico e psicomotor das pessoas afetadas, Angélica vai acompanhada de uma fonoaudióloga e uma técnica de enfermagem.

O maior desafio no atendimento do Lucas de Almeida, 26, é que ele precisa estar monitorado o tempo todo pelo técnico de enfermagem pela fonoaudióloga. É com muita técnica e amor que a equipe mantém o paciente estável e realiza a aspiração da traqueostomia para evitar engasgo ou excesso de secreção.

“A presença desses dois profissionais é essencial para que eu possa atuar e tentar a melhora das condições bucais, principalmente, a remoção de tártaro placa bacteriana. Essas doenças podem contribuir para uma infecção pulmonar do paciente”, orienta.

A mãe de Lucas, Neliane Machado Teixeira de Almeida, elogia o atendimento que seu filho recebe periodicamente. “São muito amorosos e conseguem atender meu filho com carinho e excelência. Só tenho que agradecer por tudo”, afirma.

Recompensa pelo trabalho

Para Angélica, a maior recompensa em sua profissão é ver que o trabalho realmente pode mudar e melhorar as condições de saúde, inclusive, de pessoas que realmente necessitam e não têm mais a possibilidade de ir até um consultório. “Já estive na situação de ser a paciente e tive minha saúde restabelecida através de excelentes profissionais que me assistiram. Atuar ao lado da equipe que preza restabelecer a saúde é um grande privilégio”, conta emocionada.

Atualmente, a Secretaria da Saúde possui 134 dentistas que atendem nas 32 Unidades Básicas de Saúde (UBSs); unidades móveis odontológicas; Policlínica Municipal de Especialidades “Edward Maluf”; SAD (Serviço de Atenção Domiciliar); SAME (Serviço de Atendimento Médico Especializado) . A cidade também dispõe de atendimentos de urgências odontológicas nas UPHZona Oeste Norte, além do PA São Guilherme.


Mais Notícias