Chique é ser feliz, elegante é ser honesto, bonito é ser caridoso, sábio é saber ser grato.

publi-editorial 29 jul / 2020 às 14:06

Alguém um dia escreveu que: “ser feliz não é viver apenas momentos de alegria. É ter coragem de enfrentar os momentos de tristeza e sabedoria para transformar os problemas em aprendizado”. Se tem uma pessoa que representa bem essa máxima, essa é a Mara Regina dos Santos Martins. Quem a encontra logo percebe que ela possui uma alegria contagiante, mas nem sempre foi assim. Sua trajetória passa por uma longa fase vivida à base de medicamentos para emagrecer. E o “efeito sanfona” foi uma constante por um bom tempo. “Chegou um dia em que eu achei que estivesse enfartando. Lágrimas e mais lágrimas não paravam de escorrer dos meus olhos. Fui levada ao pronto socorro e o médico nem pode fazer o eletroencéfalograma, pois eu estava em meio a um colapso nervoso”, relembra. E quando ele viu os medicamentos que ela estava tomando, as anfetaminas e todas aquelas fórmulas para emagrecer, jogou tudo no lixo. “Também fui diagnosticada com depressão cíclica e comecei um novo tratamento, desta vez de retorno à autoestima e ao amor-próprio”, diz.

Nessa época, em 2017, Mara também fazia acupuntura com uma médica muito querida, e esta ao saber de todos esses fatos decretou: “Chega! Você precisa conhecer o Projeto Eu”.

Mara já havia passado dos tão temidos três dígitos de peso e verdadeiramente precisava de ajuda. “O Projeto Eu chegou na minha vida no momento certo. Foi como se uma luz muito brilhante me avisasse que ali eu teria apoio e carinho para superar minhas dificuldades… e foi bem assim que aconteceu. Até aquele meu jeito de ser ‘pavio curto’ melhorou”, recorda-se. Ela conta que resolveu tirar todas as manhãs que conseguisse para estar presente nas atividades do Projeto. “Eu chegava cedo e só ia embora perto da hora do almoço. Participava de todas as aulas e comecei a me sentir tão bem que essa melhoria refletiu na balança”, conta.

Atualmente, Mara está se preparando para entrar na Fase 4 e… já já vai chegar no seu peso ideal. “Falta bem pouco mesmo”, comenta e complementa, “eu vi que havia parado de emagrecer, pois estava exagerando nas frutas… olha que coisa! Muitas vezes pensamos que só porque é saudável podemos comer à vontade, mas não é bem assim”. Esse aprendizado todo a respeito de reeducação alimentar, Mara diz que é por causa da sua “anja de grandes asas”, Vivian Frey, nutricionista do Projeto Eu. “A Vivian me ajuda demais. Ela me acolheu, me ensinou o jeito certo de me alimentar, me ajuda semanalmente em nossos atendimentos, ouve minhas queixas, é firme em seus apontamentos e com ela sinto que não estou sozinha nesse processo de retorno à minha essência”, fala emocionada.

Outra coisa que Mara descobriu, além das aulas com o personal trainer e de todas as atividades físicas proporcionadas pelo Projeto Eu, encontrou apoio no grupo terapêutico. “Ali é o nosso porto seguro. Podemos falar de nossos medos, nossos traumas e de nossos sucessos. Ali encontramos as pessoas que estão passando pelo mesmo processo com o apoio da equipe de psicólogas e juntas caminhamos de mãos dadas de volta à nossa melhor versão”, explica. Mara também relembra que não conseguia se enxergar magra e isso gerava muita ansiedade… “era um bloqueio e tanto e, graças ao grupo terapêutico e a retaguarda de todos os profissionais da psicologia e psicanálise, consegui superar”.

Mara é uma mulher de fé inquebrantável. Apesar da recente perda de sua cachorrinha, o que trouxe muita tristeza para toda a família, ela continua decidida a viver vendo o lado bom da vida. “Tenho minha família que me ama e me apoia e a quem amo de todo coração. Tenho meu marido que está comigo há 39 anos, José Carlos, meu amor, meu companheiro e meu melhor amigo; tenho os meus filhos Rodrigo, Bruna e Guilherme e o neto Eloi e a outra cachorrinha Becca. Estamos à espera da Flora, que chegará em outubro. Estou ansiosa para ver a carinha dessa minha neta que já é tão amada”, diz. Em meio a tantas emoções, Mara diz que só tem motivos para comemorar. Afinal, em três anos de Projeto Eu já jogou para longe 23 quilos, fez amigos queridos que agora reencontra virtualmente, tem sua “anja da guarda” Vivian que está sempre ao seu lado, conta com o apoio e carinho de toda a equipe. “O que mais preciso para ser feliz?”, pergunta. E ela mesma responde: “nada mesmo. Sou feliz sim… com motivo e sem motivo”. E Mara Martins mostra verdadeiramente a paz em seu riso livre.


Mais Notícias