Audiodescrição gera inclusão nas salas de cinema

Cultura 21 set / 2019 às 17:08

Até o final deste mês, 35% das salas de cinema dos grandes complexos (com mais de 20 salas de exibição) e 30% das salas dos grupos menores (até 20 salas) deverão ter equipamentos que garantam a acessibilidade de pessoas surdas e de pessoas cegas aos filmes em cartaz.

Até janeiro de 2020, todas as salas de cinema do Brasil terão de ser acessíveis, conforme Instrução Normativa da Agência Nacional do Cinema (Ancine). De acordo com a agência reguladora, as metas serão aferidas conforme o número de salas dos exibidores, independente da cidade ou região do país.

Há mais de um tipo de tecnologia no mercado para equipar as salas de cinema para acessibilidade. No caso dos surdos, a maior dificuldade está nos filmes brasileiros sem legenda, descrição de sons ou janelas no canto da tela com intérpretes que façam a tradução simultânea para a Língua Brasileira de Sinais (Libras).

No caso dos cegos, é necessário o uso de aparelhos sonoros que recebam sinais via FM ou Wi-fi com audiodescrições, narrações que descrevam paisagens, cenários e situações do filme, além de expressões e até o estado emocional das personagens que compõem a cena.

Imagens mentais

De acordo com a audiodescritora Kley Kopavnick, que atua em Brasília, o propósito das narrações é formar “imagens mentais” para os cegos que acompanham filmes no cinema ou na TV, visitam uma exposição de arte, ou estão em uma cerimônia.

À exceção de apresentações ao vivo, não gravadas, a audiodescrição segue roteiro elaborado previamente que, ao ser escutado, permite a pessoas cegas interpretar tramas e compreender informações. No caso dos filmes, o roteiro estabelece as deixas que o narrador grava para os cegos entre os diálogos que ocorrem durante os filmes.

Segundo o Guia para Produções Audiovisuais Acessíveis, elaborado pela Universidade de Brasília (UnB) para o extinto Ministério da Cultura, a audiodescrição deve ter linguagem “objetiva, simples, sucinta, porém vívida e imaginativa, ou seja, priorizando o uso de léxico variado e se adequando à poética e à estética do produto audiovisual”.

Francisco Lima, professor de Educação Inclusiva do Departamento de Psicologia e Orientações Educacionais da Universidade Federal de Pernambuco, enfatiza outros atributos nos roteiros de audiodescrição. “Tem que ter concisão, usar o menor número de palavras com o maior número de imagens ou informações. Ser claro na apresentação das informações e estar correto. O audiodescritor não pode desconhecer nem usar um termo inadequado “.

Lima, que ministra curso gratuito a distância de audiodescrição, também destaca a necessidade de ser específico no roteiro “Dizer apenas que a personagem carrega uma arma pode ser impreciso. Que tipo de arma é? Um revólver, uma pistola, uma metralhadora, uma faca, ou um punhal?”, exemplifica.

A audiodescrição de um filme é um trabalho que se faz em dupla. Há o roteirista, que assiste o filme e prepara o texto para a narração, e o consultor, que é uma pessoa cega, que escuta o roteiro, analisa o que foi descrito e orienta ajustes. “A audiodescrição tem que transmitir a emoção da cena”, resume o publicitário Paulo Lafaiete de Lima, consultor em audiodescrição.

“Demorou muito para acontecer”

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 3,6% dos brasileiros sofrem com deficiência visual em graus diferentes, inclusive a cegueira total.

Para Nilson Rodrigues, proprietário do Cine Cultura Liberty Mall, em Brasília, a obrigatoriedade da audiodescrição nas salas de cinema é “um avanço”. “Representa a possibilidade de acesso a essas pessoas que historicamente estiveram excluídos”, diz com entusiasmo.

Rodrigues criou no ano passado um festival especial para inclusão do público com deficiências de audição, o Cinema Surdo. Por dois meses e meio, ele promoveu sessões gratuitas de filmes brasileiros com a tradução dos diálogos em Libras. Algumas sessões tiveram a presença de diretores e críticos em debates.

No caso das pessoas cegas, o empresário explica que a audiodescrição é feita na pós-produção dos filmes pelos próprios realizadores ou pelas empresas de distribuição. A audiodescrição chega aos cinemas junto com os arquivos dos filmes, seja por satélite ou por mídia física (Digital Cinema Package – DGP), e é veiculada por meio de canais disponíveis em cada sala de exibição.

Para Wilson Feitosa, produtor e diretor geral da distribuidora Europa, “é uma felicidade” dar a possibilidade de que pessoas cegas frequentem os cinemas. “Demorou muito para acontecer”, critica. Segundo ele, os valores de audiodescrição não são expressivos, pois há diversidade de prestadores de serviço no mercado e os custos foram absorvidos como ocorre com a legendagem ou a dublagem.

O entusiasmo de Rodrigues e a felicidade de Feitosa são compartilhados por Marcus Ligocki, diretor do filme Uma Loucura de Mulher (2016) e produtor de Rock Brasília – Era de Ouro (2011). “Isso é uma maravilha. Quem faz filme quer que seja compartilhado. O realizador sempre quer alcançar o máximo de pessoas”.

Segundo Ligocki, é próprio do cinema “gerar empatia”, fazer com que o público se projete nas personagens, perceba outras realidades e compreenda melhor as pessoas. Segundo ele, a audiodescrição também gera empatia. “Me sinto mais próximo e capaz de entender o outro”.


Mais Notícias