Mudança no ambulatório do Regional preocupa pacientes e funcionários

Saúde 12 maio / 2016 às 15:32

As mudanças registradas nos últimos dias no ambulatório do Conjunto Hospitalar de Sorocaba tem preocupado funcionários da unidade de saúde  e pacientes do local que necessitam dos serviços que são prestados.

Alguns setores estão sendo desativados aos poucos do ambulatório. Outros mudaram de local. A parte de moléstias infecciosas, chamado de MI, por exemplo, saiu da parte ambulatorial e foi para dentro do Leonor Mendes de Barros, hospital que integra o Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS). Fontes de dentro do CHS contam que a situação é dramática com relação ao setor que atualmente funciona com o setor de oncologia, que trata de pacientes com câncer, e com o setor de Hemato, local onde ficam alocados pacientes com alguma doença no sangue. 

Na parte da oftalmologia há apenas quatro médicos atendendo, número que se difere de outros momentos.  Há apenas um médico atendendo no ambulatório do otorrino, também se diferenciando de outros momentos.

A chamada ala de feridas, que funcionava no ambulatório, segundo funcionários, já foi completamente desativada. Essa situação teria afetado principalmente, pacientes que possuem diabetes. A ideia seria forçar esse atendimento nos Unidades Básicas do Saúde (UBS), que não teriam a mesma estrutura para tais atendimentos, como a formação de profissionais. Outra preocupação é com o setor de ortopedia, que também estaria de mudança do local.

Uma rampa que está sendo construída no local também é motivo de queixas.

 

Estado

Em nota, via Assessoria de Imprensa a Secretaria Estadual de Saúde, negou todas as informações.  “O Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS) esclarece que as informações de que “setores do ambulatório estão sendo desativados” são totalmente infundadas e mentirosas. O espaço físico do ambulatório está sendo otimizado, com a transferência do setor de Moléstias Infecciosas (M.I) para dentro do prédio Leonor Mendes de Barros. O atendimento do setor de Moléstias Infecciosas requer um centro de infusão e, como o prédio do Leonor também possui esse centro, o serviço (M.I) foi transferido para dentro do local, otimizando assim recursos humanos e espaço físico do ambulatório. Não há e nem haverá prejuízo no atendimento aos pacientes”, garante a pasta..

“Em relação à nova rampa, esclarecemos que a construção visa exatamente atender à acessibilidade dos pacientes que realizam fisioterapia no local. É totalmente contraditório construir uma nova rampa que “atrapalhe” a acessibilidade”, continua

“Sobre o número de médicos, esclarecemos que os oftalmologistas e otorrinos atendem pacientes internados na unidade, já que a referência para esse tipo de atendimento externo é o BOS (Banco de Olhos de Sorocaba). A equipe médica nessas especialidades atende completamente a demanda interna da unidade”, explica. “Por fim, esclarecemos que os setores de Ortopedia e de Queimados estão funcionando normalmente e não há qualquer interrupção prevista”, termina.

 


Mais Notícias