“Não era motivo para tanto, porque o tempo médio de espera de uma ficha, já com medicação, era de 15 a 20 minutos”, diz Secretária de Saúde sobre caso do tiro de choque no P.A.

Saúde 04 nov / 2018 às 12:21

A Secretária de Saúde, Marina Pereira, esteve ontem (03) na redação do Jornal Z Norte e concedeu uma entrevista ao vivo para esclarecer alguns fatos sobre o ocorrido no P. A. do Laranjeiras, onde uma paciente levou um tiro de choque disparado por um GCM que estava na unidade de saúde.

Em entrevista, a secretária comentou sobre o caso e considerou que “no dia de hoje não era motivo para tanto, porque o tempo médio de espera de uma ficha era de 15 a 20 minutos”.

Diante da repercussão, a secretária rebateu as críticas. “Na verdade, foi um episódio lamentável, desnecessário, porem a munícipe que fez a live, ela deu entrada no PA hoje para atendimento às 12h43 e salvo engano ela começou a filmar por volta das 13h, um tempo médio de 15 minutos, e no próprio vídeo dela conseguimos ver que na recepção, não tinha um volume considerável de pessoas, que pudesse justificar um tempo de espera maior”, diz a secretária.

Questionada sobre o atendimento médico, ela falou: “Estive na unidade e os médicos que estavam lá de plantão desde o atendimento ainda continuam lá. Tínhamos como previsto 4 médicos atendendo lá, foram feitos 150 atendimentos das 7h às 13h, horário do vídeo, e o tempo médio de espera era de 15 a 20 minutos. Após toda a confusão o tempo de espera maior foi de 30 minutos. Isso tá em sistema, não tem como burlar. A pessoa chega, faz a ficha via sistema, pega os dados e a finalização, já com a medicação, pelo enfermeiro foi o tempo médio de 15 a 20 minutos”.

“O P.A. do Laranjeiras é localizado em setor estratégico para justamente dar suporte ao P.A. da Zona Norte e ele faz em média 13 mil atendimentos mês. É muito raro a gente receber reclamação ou denuncia referente ao atendimento desse p.a.  A população frequenta e gosta do atendimento dessa unidade. Infelizmente aconteceu isso hoje, mas nesse dia, no dia de hoje não era motivo para tanto, porque o tempo médio de espera de uma ficha era de 15 a 20 minutos. Ela foi socorrida imediatamente, obvio que ela ainda estava nervosa, foi esperado que ela se acalmasse e os próprios médicos que estavam no plantão fizeram anestesia e deram a assistência necessária para que ela pudesse ser liberada”, conclui.

A secretária continua. “Vendo os números, o tempo médio de espera é de 15 a 20 minutos, tá ali comprovado, e isso desgasta os funcionários, porque, se está fazendo correto, tá apanhando, e se não faz correto, apanha da mesma forma. Isso é complicado!”, conclui.

Durante todo o sábado, o Jornal Z Norte repercutiu os acontecimentos e entrevistamos além da Secretária da Saúde Marina, a paciente Célia, o chefe da GCM e os vereadores Renan Santos e Rodrigo Manga. As entrevistas AO VIVO podem ser conferidas em nossas redes sociais (Facebook e Youtube).


Mais Notícias