Vereador tira projeto do “cadastro em motéis” de pauta para adequações e afirma que objetivo é coibir práticas criminosas no Centro

Política 24 out / 2018 às 09:48

O vereador Hudson Pessini (MDB) retirou de votação nesta terça-feira (23) o projeto de lei 144/2018, que obriga os estabelecimentos que oferecem hospedagem, sendo diárias ou fracionadas, a fazer o registro completo de seus clientes e acompanhantes. De acordo com o parlamentar, o objetivo da ideia é coibir práticas criminosas, como pedofilia e tráfico de drogas, na região central da cidade.

“Eu tive uma loja na rua da Penha. Em cima da minha loja, tinha um pousadinha de permanência rápida, pra não falar ‘purgueiro’. Ali, quantas vezes eu interceptei senhores entrando com meninas de 14, 13, 15, 16 anos de idade, pra prática de prostituição. E quem regulamenta esses hotéizinhos, esses ‘purgueiros’, pra prática de pedofilia, prostituição, tráfico de drogas. Não tem”, afirmou o vereador.

De acordo com ele, a prática da prostituição na região Central ocorre por causa desse tipo de estabelecimento. Segundo o vereador, sua atuação no combate a esse crime ocorre desde a época em que era representante do Conselho de Segurança (Conseg) do Centro. O parlamentar disse que é um dos objetivos de seu mandato combater o crime no centro.

“Se dá pra gente dificultar essa prática e regulamentar esses mini-prostíbulos, a gente vai ter que fazer. Não dá pra ficar do jeito que está. Qualquer maluco hoje abre uma porta lá e fala que é pousada, sem higiene, sem nada”, salientou Pessini.

O vereador disse que não quer “esbarrar nas pessoas honestas” e por isso vai adequar a lei. Ele foi apoiado pelos vereadores Hélio Brasileiro (MDB) e Pastor Luis Santos (Pros).


Mais Notícias