Mães continuam sem saber onde filhos estudarão em 2014

Educação 21 jan / 2014 às 11:24

Dezenas de mães do bairro de Aparecidinha se reuniram na manhã desta segunda-feira (20) na frente do Paço Municipal, cobrando uma solução da Secretaria de Educação para a falta de vagas no bairro para acomodar as cerca de 160 crianças ingressantes no Ensino Fundamental I, egressas da CEI-10 “Eglantina Rocco Perli”.

Acompanhadas pelo vereador Carlos Leite (PT) e pelo líder comunitário e professor Paulo Matsuo, elas conseguiram uma reunião com o Secretário de Educação José Simões, onde puderam expor propostas para que seus filhos não sejam obrigados a estudar nos bairros do Éden ou Brigadeiro Tobias, como a Prefeitura indicou, localidades distantes das casas dos alunos.

A próxima reunião agendada para discutir o assunto ocorrerá em Aparecidinha, na sexta-feira (24), às 14 horas, no CEI-10. A Secretaria de Educação, na sexta-feira passada (17), havia sinalizado que daria uma posição sobre o caso nesta segunda. As mães esperavam uma resposta definitiva, mas não a obtiveram nessa reunião.

 

Promessas

Durante a reunião, as mães tiveram a promessa do Secretário de que a transferência dos alunos para bairros distantes ocorrerá somente em última hipótese. Simões procura um prédio em Aparecidinha que possa ser adequado e transformado em escola, com ao menos 3 salas e demais estruturas necessárias.

Segundo a equipe da Prefeitura, o local adequado ainda não foi encontrado, embora o Executivo Municipal já estivesse ciente, desde 2011, de que a Escola Estadual Acácio de Vasconcellos Camargo deixaria de atender alunos do 1º ao 5º ano, por determinação da Diretoria de Ensino, ligada à Secretaria Estadual de Educação. Um dirigente estadual de educação também esteve presente à reunião.

A Prefeitura chegou a encontrar um imóvel para locação, mas o valor estava muito acima do praticado no mercado. Outra opção de locação seria um Casarão da Igreja Católica, mas as obras do prédio não serão concluídas antes de 2 meses. O Executivo municipal disse que pretende construir uma escola no bairro de Aparecidinha, mas o prazo previsto para término será somente em 2015.

 

Alternativa

Paulo Matuso sugeriu que as crianças fossem abrigadas, como alternativa, em algumas das salas da nova creche do Jardim Morada das Flores, hipótese que consta agora como uma das possibilidades aceitas pelo Secretário de Educação, que disse, no entanto, que precisa estudar a capacidade estrutural do prédio.

Posteriormente à reunião com Simões, o vereador Carlos Leite se reuniu com o Secretário de Mobilidade, Desenvolvimento Urbano e Obras, Antônio Benedito Bueno Silveira e assessores, ocasião na qual estudaram a planta da nova creche e constataram que ela possui oito salas e mais dois laboratórios (que podem ser utilizados como salas de aula), todos com cerca de 45 metros quadrados.

A creche está com as obras praticamente concluídas e estágio de retoque da pintura. Falta a CPFL realizar a instalação da energia elétrica. A entrega do prédio está prevista para o dia 31 de janeiro deste ano.


Mais Notícias