Sorocaba registra 62 casos de dengue em 2015

Saúde 19 jan / 2015 às 19:46

Deste total, 52 são autóctones e 10 são importados. População deve reforçar medidas de combate ao mosquito transmissor e adotar o uso de repelente.

 

De acordo com o novo Boletim Epidemiológico da Dengue e Febre Chikungunya divulgado nesta segunda-feira (19) pela Área da Vigilância em Saúde da Secretaria da Saúde de Sorocaba (SES), o número de casos de dengue confirmados na cidade em 2015 já chegou a 62 até o dia 15 de janeiro. Deste total, 52 são autóctones e 10 são importados, o que demonstra a transmissão sustentada no município, sendo que algumas regiões da cidade estão em fase de alerta.

Comparando com o mesmo período de 2011 e 2013 – anos em que Sorocaba registrou os maiores números de casos de dengue –, o número de casos confirmados neste ano é maior. Em 2013, até o dia 18 de janeiro, tinham sido registrados nove casos e, em 2011, durante todo o mês de janeiro, foram registrados oito casos.

Analisando o gráfico que mostra o comportamento da doença na cidade nos últimos meses, exibido na segunda edição do boletim, é possível notar que a dengue tem apresentado alterações nos padrões de transmissão. Enquanto em anos anteriores o período compreendido entre os meses de julho a novembro era considerado “silencioso”, em 2014 observa-se o aumento do número de casos a partir do final de 2014.

Com relação à distribuição geográfica dos casos confirmados de dengue em Sorocaba em 2015, o boletim mostra que a Regional Norte da SES é a que mais concentra o número de registros, sendo a região da Unidade Básica de Saúde (UBS) da Vila Angélica a com maior número de casos confirmados da doença neste ano, seguida da área de abrangência da UBS Nova Sorocaba.

Sobre a Febre Chikungunya, em 2015, um caso suspeito encontra-se aguardando resultado de exame.

 

Prevenção é fundamental

A diretora da Vigilância em Saúde da SES, Daniela Valentim dos Santos, lembra que, para evitar uma possível ocorrência de epidemia de dengue na cidade neste ano, é preciso reforçar o combate ao mosquito transmissor. “Toda população deve colaborar e adotar os hábitos preventivos. Todos os objetos que acumulam água e podem tornar-se criadouros devem ser eliminados, pois a única maneira eficaz de evitar a doença é o combate ao mosquito transmissor”, diz.

A SES recomenda que as pessoas vistoriem a residência pelo menos uma vez por semana. “É preciso confirmar se não há nenhuma calha entupida, se não existem objetos espalhados pelo quintal e vasos de plantas que acumulem água da chuva. Caixas d’água devem estar bem vedadas e os vasos sanitários com pouco uso precisam ficar tampados”, explica Daniela.

“Além da intensificação de medidas de eliminação de criadouros, é importante que na presença de sintomas da dengue o munícipe procure atendimento de saúde, use repelente e só faça uso de medicamentos sob prescrição médica. A pessoa com suspeita de dengue deve permanecer em casa durante os primeiros seis dias dos sintomas, se hidratar em abundância e procurar o serviço de saúde caso apresente piora”, completa a diretora da Vigilância em Saúde.

O Boletim Epidemiológico que analisa a situação da dengue em Sorocaba será divulgado quinzenalmente pela SES, sempre às segundas-feiras. O documento fica disponível no site da Prefeitura de Sorocaba (www.sorocaba.sp.gov.br), em notícias da Saúde.


Mais Notícias