“Sou inocente e estou em paz”, afirma Tatiane Polis após condenação na Justiça local

Sorocaba 11 out / 2018 às 20:14

A ex-assessora do prefeito José Crespo, Tatiane Polis, afirmou estar tranquila e que confia na Justiça ao Jornal Z Norte, após a decisão da 1ª Vara Criminal de Sorocaba, que a condenou no caso do diploma falso. O caso resultou no processo de cassação do prefeito José Crespo em 2017. Sua defesa vai recorrer da decisão junto ao Tribunal de Justiça do Estado.

A ex-assessora de José Crespo acredita que a justiça local se contaminou com interesses políticos. “Estou ciente (da decisão) e absolutamente tranquila, pois era esperado que a decisão local se contaminasse com interesses políticos. Vamos recorrer e tenho convicção que o Tribunal reformará essa decisão, que ficará provado tudo que tenho dito desde o início.
Sou inocente, estou em paz, e isso é o que realmente importa”, afirmou Tatiane.

A decisão contrária a ela foi publicada nesta quinta-feira (11). O juiz Jayme Walmer de Freitas a condenou a quatro anos de reclusão, mas converteu a pena ao pagamento de 4 salários mínimos (aproximadamente R$ 4 mil) a uma instituição de caridade, e a prestação de serviços à comunidade, por quatro anos.

O caso ocorreu em 2017, após denúncia da vice-prefeita Jaqueline Coutinho sobre o uso de diploma falso da ex-assessora. Jaqueline e Crespo brigaram, fato que se tornou público após uma publicação da mãe da vice-prefeita no Facebook. A Câmara Municipal abriu uma Comissão Processante, que cassou o mandato do prefeito em agosto do ano passado. Ele voltou ao cargo em outubro, após decisão da justiça.

Tatiane Polis foi denunciada por ter apresentado um diploma de ensino superior em sua admissão na Prefeitura de Sorocaba. No entanto, de acordo com as denúncias, ele seria inválido por seu diploma do ensino médio, feito por meio de um curso semelhante ao supletivo, ser considerado falso.

 

Crespo Indiciado

O caso do diploma teve destaque nesta semana. A Polícia Civil indiciou o prefeito José Crespo (DEM) por crime de responsabilidade na manhã de terça-feira (9), após autorização do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. O processo contra Crespo foi motivado pela nomeação de Tatiane Polis. Se condenado, a pena prevista para o crime de responsabilidade é de 3 meses a 3 anos de prisão, perda da função pública, além da proibição de concorrer a cargo público por 5 anos.

O prefeito, pelo cargo que ocupa, selecionou a data e horário do indiciamento. De acordo com a defesa do prefeito, o indiciamento é mero ato formal da autoridade policial, ocorrido dentro do inquérito policial.

Questionada pelo Jornal Z Norte, a Prefeitura afirmou que o prefeito José Crespo está absolutamente tranquilo, considerando que não houve nenhum tipo de comportamento a impedir os atos de investigação. “Ao contrário, a Corregedoria foi provocada duas vezes para fazer a investigação e constatou que não havia irregularidade nos diplomas”, diz a resposta.

Segundo a Prefeitura, “naturalmente, como houve uma denúncia da vice prefeita, Jaqueline Coutinho, a autoridade local procedeu as investigações e está encaminhando para suas conclusões. Ser indiciado não é nenhum demérito para o investigado e oportunamente a defesa vai se manifestar demonstrando todos os fatos e que não há diploma falso”, conclui a nota.


Mais Notícias