Parque do Matão registra a morte de 20 macacos

Região 02 fev / 2018 às 18:35

Em três deles, a análise apontou febre amarela silvestre, o que não interfere nas ações de bloqueio ao vírus que estão sendo realizadas

Desde a divulgação do último boletim (dia 26/01) pela Secretaria de Saúde (Sesa), mais oito macacos bugios foram encontrados mortos no Parque do Matão. Com isso sobe para 20 o número de macacos mortos na cidade. Em três deles, os laudos do Instituto Adolfo Lutz retornaram oficialmente à Prefeitura, confirmando a morte pelo vírus da febre amarela silvestre. O município aguarda o resultado de outros quatro laudos que estão em análise.

Conforme a Sesa, o aumento das mortes é esperado tendo em vista que os macacos vivem livremente no parque e o vírus foi detectado no local. O Departamento de Vigilância em Saúde reforça ainda que o número de primatas mortos independe para o desencadeamento das ações que estão em andamento desde o último dia 12 de janeiro, priorizando o bloqueio no entorno do Parque do Matão, seguindo os critérios da Secretaria de Estado da Saúde. Até esta quinta-feira (25), mais de 27 mil doses da vacina contra a febre amarela foram aplicadas no município.

 A Secretaria da Saúde encaminha o boletim semanal às sextas-feiras, atualizando o quadro epidemiológico em relação aos primatas que estão sendo encontrados mortos no parque do Matão. O local segue fechado para visitação pública.

 Dos 20 primatas encontrados mortos, as vísceras de sete deles possibilitaram a análise do Instituto Adolfo Lutz, dos quais três laudos retornaram até o momento, nos dias 12, 22 e 29, apontando a causa da morte por febre amarela. De acordo com o Centro de Controle de Zoonoses, dos 9 últimos macacos mortos, um foi encontrado na tarde de sexta-feira (26), três no sábado (27), um na segunda (29), dois na quinta-feira (01) e um na manhã desta sexta-feira (02).

É importante salientar que a cidade não registra caso de febre amarela em humanos, nem suspeitos em andamento.

 

 


Mais Notícias