Vereador pede suspensão de contrato de locação de veículos da GCM

Política 10 mar / 2020 às 14:56

O vereador Rodrigo Manga (DEM) protocolou na Câmara Municipal, nesta terça-feira (10), um ofício ao Poder Executivo pedindo que a prefeita Jaqueline Coutinho (sem partido) suspenda o contrato de locação de nove veículos para a Guarda Civil Municipal (GCM).

Como adiantou o Jornal Z Norte, na segunda-feira (09), a Prefeitura de Sorocaba assinou um contrato de locação no valor de R$ 1.325.238,48 com a empresa vencedora do pregão eletrônico, a Podium Distribuidora Eireli, de Salvador, na Bahia.

A companhia ficará responsável pela locação de cinco veículos da marca Volkswagen, modelo Gol 1.6, com custo unitário de R$ 2.876,99, totalizando R$ 14.384,95. Ao ano, o conjunto de veículos custará aos cofres municipais R$ 172.619,40.
O contrato também prevê a locação de quatro carros da marca Toyota, modelo SW4, no valor de R$ 10.208,33, num total mensal de R$ 40.833,32. No total, o aluguel das viaturas custará R$ 489.999,84 por anos a municipalidade.

O parlamentar protocolou um requerimento solicitando informações da Prefeitura sobre a contratação. “Por qual motivo o CPL 402/2019 encontra-se com situação ‘suspensa’ no portal da Prefeitura Municipal de Sorocaba, considerando que dele decorreu a contratação da empresa?,” indaga Manga no documento.

O democrata ainda questiona sobre possíveis irregularidades por parte da empresa contratada. Um dos pontos destacados pelo vereador seria o excesso de Códigos de Descrição das Atividades Econômicas Secundária (CNAE’s) que não figurariam no hall de atividades para locação de veículo. Rodrigo Manga ressaltou possíveis indícios de irregularidades. “São mais de 300 assuntos que essa empresa apode atuar. Isso começa a dar indícios que essa empresa que faz uma locação para prefeituras, especializada poder publicar, e são essas empresas que geram corrupção,” opina o democrata.

O líder do governo na Câmara Municipal, o vereador Engenheiro Martinez (PSDB) adiantou ao Z Norte que levará os questionamentos à Prefeita para uma análise e não descartou a possibilidade de suspensão do contrato. “Todas os contratos assinados pela prefeita eles são extremamente cautelosos. Se houve alguma coisa, obviamente ela se manifestará,” afirmou o decano.

De acordo com a Câmara Municipal, os oficios endereçados ao Palácio dos Tropeiros tem prazo de 15 dias para serem respondidos, podendo ser prorrogados pelo mesmo prazo.


Mais Notícias