Em visita à Câmara, prefeita Jaqueline Coutinho enfrenta protestos e ausência do presidente do Poder Legislativo

Política 06 fev / 2020 às 18:21

Acompanhada por parte do seu secretariado, a prefeita Jaqueline Coutinho (sem partido) realizou sua visita de cortesia à Câmara Municipal de Sorocaba, na segunda sessão ordinária da última quinta-feira (06). A presença da chefe do Executivo aconteceu após sua ausência no retorno dos trabalhos da casa, no dia 4 de fevereiro.

Ao iniciar sua fala na casa, a chefe do Executivo explicou novamente sobre a motivação de sua ausência no encontro anterior, data em que a prefeita se encontrava em um compromisso no Ministério Público do Trabalho (MPT). “Quero me desculpar, o fato de eu não ter podido comparecer no início das sessões legislativas do ano,  que se deu em razão de intimação junto ao MPT,” esclareceu Jaqueline, que continuou explicando o teor da reunião, “junto a promotora Dr. Cristina Palma e dos secretários da SECID (Secretaria de Cidania e Participação Popular) e da SEDU (Secretaria de Educação) pudéssemos elaborar um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) em prol das crianças e adolescentes que se encontram hoje exercendo trabalho infantil.”

Na ocasião, Jaqueline discursava na tribuna quando foi interrompida pelo vereador Vitão do Cachorrão (MDB) que esbravejava em defesa dos cuidadores de escolas municipais. “Cortar vale transporte deles e cesta básica, desvalorizando a classe,” criticou Vitão.

“Com relação a essa questão que o vereador levantou, apenas para esclarecimento e ‘espancar qualquer’ dúvida quanto a legalidade,  a moralidade e a transparência do procedimento, informam os secretários que o processo de licitação tramitou regularmente,” garantiu a ex-delegada, que se defendeu das críticas, “acima de tudo, esse respeito deve existir por parte da administração respeitando o tramite legal na administração, todas as críticas construtivas são bem vindas, principalmente de quem construiu algo ao longo da sua jornada existencial.”

Por conta da interrupção, o líder do governo na Câmara, o vereador Engenheiro Martinez (PSDB), que presidia a sessão, precisou intervir. “Eu quero alertar que o plenário não pode se manifestar,” enfatizou o decano da casa, que cobrou respeito por parte do parlamentar.

As falas do vereador foram endossadas por representantes dos cuidadores municipais que estavam na galeria da Câmara, se manifestando diante dos cortes de benefícios.

“Compromissos inadiáveis”

Em sua visita à Câmara, Jaqueline Coutinho não pode contar com a presença do chefe do Legislativo, assim como a prefeita, alegou que teria um “compromisso inadiável.” “Só irei pedir licença a todos os secretários, pedir as minhas desculpas, eu tenho uma consulta médica agora inadiável, a senhora me perdoe a indelicadeza de não estar presente,” desculpou-se Fernando Dini.

Antes de deixar o prédio, o presidente relatou diretamente a prefeita seu descontentamento devido à ausência na primeira sessão do ano. “Eu particularmente fiquei um pouco sentido, disso não ter acontecido na última terça-feira (04), mas recebemos através da liderança do governo a justificativa do compromisso inadiável,” confessou o parlamentar.


Mais Notícias