Varejo infantil projeta crescimento de até 15% nas vendas de final de ano

Economia 23 dez / 2016 às 14:55

Com a chegada do Natal e início das férias, o setor de varejo de produtos infantis organiza-se para atender um crescimento da demanda em meio à economia desaquecida, de acordo com o presidente da Rede Bebê Brasil (RBB), que incorpora lojas do segmento infantil e presente em 15 estados, Antonio Carlos Viegas.  

As lojas do segmento projetam um aumento médio entre 10% e 15% nas vendas em janeiro de 2017, em todo o país, na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo dados da RBB.  

Nesta época de final de ano, explica o presidente da RBB, minicamas, camas, carrinhos de passeio e cadeiras para o carro são os mais procurados, seguidos dos brinquedos próprios para o desenvolvimento dos bebês, roupas e itens de decoração. 

A expectativa positiva é confirmada pelos lojistas, que já se preparam para uma maior procura nos meses de dezembro e janeiro. O sócio das lojas Bicho Papão, Renato Pantaleão, com unidades em São Paulo, Campinas e Sorocaba, espera alta de 15% nas vendas. Ele afirma que o avanço é decorrente da proximidade da virada do ano, quando as famílias procuram renovar a decoração da casa e incentivar uma nova etapa da vida dos filhos, além da chegada do período de férias, quando viajam.  “Dezembro é o mês em que a procura por minicamas e camas é a maior do ano. Isto porque muitos pais aproveitam a chegada do ano novo como um momento oportuno para novas experiências, sendo uma motivação para que os bebês deixem os berços e passem a dormir em suas próprias camas, ganhando autonomia e independência”, conta. 

O presidente da RBB enxerga a fase como um respiro para o varejo infantil, já que outros problemas, além da crise econômica, contribuíram para a puxada no freio do setor, em especial o surto de Zika Vírus, que fez adiar o plano de gestação de muitas mamães. “As grávidas representam 75% do movimento de muitas lojas, principalmente, aquelas especializadas em bebês”, destaca Antonio. 

Cadeiras para carro e carrinhos de passeio 

Aprovados pelo Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia), em outubro do ano passado e regulamentados pelo Contran (Conselho Nacional de Trânsito) em janeiro deste ano, o sistema de fixação de cadeiras para carro Isofix e o uso do cinto de três pontos serão obrigatórios a partir de 2018. O mecanismo Isofix, que passa a ser exigido em veículos novos, importados e nacionais, funciona por meio de terminais de engate, que são soldados diretamente na carroceria do veículo, trazendo segurança redobrada em caso de acidente. 

A entrada em vigor da norma, aliada à chegada do período de férias, também deve alavancar as vendas de cadeiras para carro no final do ano. O proprietário das lojas Bicho Papão também espera alta de 15% na comercialização de cadeirinhas, assim como de carrinhos de passeio. “Já estamos sentindo o aumento da demanda, que é comum nesta época, mas está ainda maior devido à legislação em vigor”, afirma Pantaleão.  

Há modelos de cadeiras e carrinhos para todos os tipos de gosto, necessidade e bolso. O preço médio da cadeirinha é cerca de R$ 1.700 e o do carrinho, R$ 899. Um modelo prático de carrinho, de uma marca americana, vem ganhando a atenção dos pais, pela funcionalidade e custo-benefício. O carrinho é totalmente flexível, cabendo em uma mochila que mede apenas 54 cm e pesa menos de 6kg. O valor é de R$ 899. “Além disso, possui tecido macio, que proporciona conforto e proteção contra os raios ultravioletas”, diz o lojista.


Mais Notícias